quarta-feira, 30 de junho de 2010

Pinte o telhado de branco ou plante verde nele


Telhado branco ou verde?
Por Bruno Bertante de Moraes

Artigo recentemente publicado na revista científica Climatic Change chamou a atenção de muita gente e foi bastante divulgado nos meios de comunicação pelo Mundo. Ongs internacionais, inclusive o Green Building Council Brasil, começaram a divulgar e criar a campanha: ”Pinte seu telhado de branco!”. Segundo o estudo, se as 100 maiores cidades do mundo pintassem seus telhados de branco de todos os seus edifícios, iríamos diminuir consideravelmente a temperatura do planeta.


Apesar dos telhados verdes serem uma solução muito mais eficiente e funcional contra o problema do aquecimento global, pintar os telhados de branco seria uma solução rápida e significativa. Al Gore, Prêmio Nobel da Paz, já havia chamado a atenção no filme “Uma Verdade Inconveniente” que a cor dos pólos, eminentemente branca, reflete de 80 a 90% da radiação solar.

A partir do momento que os pólos começaram a derreter, eles passam a ficar com o mesmo índice de reflexão do oceano, que é 8%. Portanto, com o derretimento do gelo, os próprios pólos passam a contribuir para o aquecimento global. O raciocínio é o mesmo para os telhados, as cores marrom e vermelho, geralmente encontradas nos telhados convencionais chegam a absorver até 80% da radiação solar, transmitindo calor para as edificações.

Se pintarmos os telhados com cores claras, eles poderão refletir até 90% dessa energia luminosa. Cada 10m² de telhado ou superfície horizontal clara é equivalente a uma economia de 1 tonelada de gás carbônico, em equipamentos funcionais da edificação, como o ar condicionado.

Dado o recado, cabe cada um fazer sua parte para diminuirmos o aquecimento global.

terça-feira, 29 de junho de 2010

Humor negro

Para começarmos a semana rindo...

Quem me enviou esta piada (fato acontecido) foi uma portuguesa. Ela é brasilianista.

**A EFICIÊNCIA DO AGENTE FUNERÁRIO PORTUGUÊS**

Uma velhinha acabou de ficar viúva e foi até a funerária para ver como seu
marido estava sendo preparado para o enterro. No momento em que ela vê o
corpo, começa a chorar muito. O homem da funerária vendo a cena se aproxima
e começa a consolá-la, mas ela diz que não está chorando pela perda do
marido e sim por causa do fato (terno) que ele está usando. Ela explica que eles o
vestiram com um fato preto e o desejo do finado sempre tinha sido de ser
enterrado com um fato azul turquesa. O homem explica que tradicionalmente
sempre usam fatos pretos, mas que ele faria o possível para atender o
desejo do falecido. Meia hora mais tarde, a velhinha retorna à funerária e
ao ver seu marido quase chora novamente, mas dessa vez de alegria. Lá está
seu marido com o mais bonito fato azul turquesa que ela jamais vira em sua
vida.
O homem da funerária aproxima-se dela e pergunta:
- Está tudo de acordo ?
- Sim, sim! Maravilhoso! Mas onde o senhor conseguiu um fato tão lindo
tão rapidamente?
- Veja bem... depois que a senhora saiu, um outro morto do tamanho do seu
marido foi trazido e ele usava esse fato azul. A viúva dele também estava
triste porque ele sempre quis ser enterrado em um fato preto.
A velhinha então sorri para o homem encantada com a consideração dele. Até
que ele continua sua explicação:

**- Aí ficou fácil... foi só trocar as cabeças!*

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Digo assim ou digo assado...


Entre:



"A jovem mãe deu à luz a gêmeos"
ou

"A jovem mãe deu à luz gêmeos"



Qual achas correto?

Se escolheste o primeiro, deves eliminar esse "vício".

O correto é o segundo modelo, porque DAR é verbo transitivo direto e pede o objeto direto GÊMEOS.
À LUZ é o modo, logo é um adjunto adverbial.

domingo, 27 de junho de 2010

sábado, 26 de junho de 2010

Poemas de Carpinejar

Adega do sono – poema 5


Dividias os gomos da fruta
em aposentos da casa.
A cortina do sumo
leveda o sol levantado.
O zodíaco do molde
supre o gérmen do quarto.
E o bafio estala
a lareira das esferas
na sala de estar
da semente.


“As Solas do Sol”
(Editora Bertrand Brasil, 1998)



Neve da Chama – poema 8


Enraizado no canto,
o cortejo de galos
separava a safra de corais.
Das quilhas coradas
das canoas.


“As Solas do Sol”
(Editora Bertrand Brasil, 1998)



Solidão a duas vozes – poema 8


Obedecia a rapidez do sangue.
Antes de apodrecer a luz,
engolia a altura da árvore.



“As Solas do Sol”
(Editora Bertrand Brasil, 1998)



Salmos do fogo – poema 9


O céu esférico,
cinzento.
Aves copiando o traçado
da migração,
o caule da borrasca.


“As Solas do Sol”
(Editora Bertrand Brasil, 1998)



Domingo


As garças capinavam
as águas.

A saliva das aves
movia o motor
do riacho.


“As Solas do Sol”
(Editora Bertrand Brasil, 1998)



Suicídio – poema 3 e 5


A vida amou a morte
mais do que havia
para morrer.

Apaguei os pensamentos
na espuma da pele.

Abandonar o paraíso,
a única forma
de não esquecê-lo.


“As Solas do Sol”
(Editora Bertrand Brasil, 1998)



Pronúncia


A palavra é falível
posta em outra boca:
o horizonte deitou

o fuzil dos pássaros.
Volta, pai, que a fundura
não está nos passos,

a tapera dispersa
a caça e o paradeiro
das pegadas.

A queda atalha a subida,
o homem permanece
uma pronúncia inacabada.

Tantas vezes caí
em teu lugar,
que descobri o inferno

ao repetir a salvação.
Tantas vezes caíste
em meu lugar,

que descobriste a salvação
ao repetir o inferno.


“Um Terno de Pássaros ao Sul” (Escrituras, 2000)



Testamento


Sou também um livro
que levantou
dos teus olhos deitados.

Em tudo o que riscavas,
queria um testamento.
Assim recolhia os insetos

de tua matança,
o alfabeto abatido
nas margens.

Folheava os textos,
contornando as pedras
de tuas anotações.

Retraído,
como um arquipélago
nas fronteiras azuis.

Desnorteado,
como um cão
entre a velocidade

e os carros.
Descia o barranco úmido
de tua letra,

premeditando
os tropeços.
Sublinhavas de caneta,

visceral,
impaciente com o orvalho,
a fúria em devorar as idéias,

cortar as linhas em estacas da cruz,
marcá-las com a estada.
Tua pontuação delgada,

um oceano
na fruta branca.
Pretendias impressionar

o futuro com a precocidade.
A mãe remava
em tua devastação,

percorria os parágrafos a lápis.
O grafite dela, fino,
uma agulha cerzindo

a moldura marfim.
Calma e cordata,
sentava no meio-fio da tinta,

descansando a fogueira
das folhas e grilos.
Cheguei tarde

para a ceia.
Preparava o jantar
com as sobras do almoço.

Lia o que lias,
lia o que a mãe lia.
Era o último a sair da luz.


“Um Terno de Pássaros ao Sul” (Escrituras, 2000)



Nenhuma ferida


Nenhuma ferida
separava teus pesadelos.
Quando vagaste em meia-idade

pela selva escura, fiquei
a conversar com tuas camisas,
aprumando boinas

que afogavam os cabelos.
Tinha sete anos ao certo
e uma lua vadia disputando

corridas comigo.
Fiquei a entreter
os tecidos alinhados,

como um exército em revista,
procurando convencer
uma peça ao menos

a delatar tua deserção.
Quando vagaste em meia-idade
pela selva escura, fiquei

alimentando o aquário
das gravatas.
Pedia privacidade às traças.

Vestia tua camisa,
copiando o ritmo
dos teus traços,

a respiração copiosa,
sendo meu próprio
e definitivo pai.


“Um Terno de Pássaros ao Sul” (Escrituras, 2000)



Sem dono


(...)
Nossa coerência

é estar mudando.
A chama desmaiou
e a levamos nos braços.

Tivemos a coragem
de superar o começo,
não transformar a filiação

em mapa de guerra,
imitação da treva.
O percurso tem sentido

quando percorrido.
Do resumo das veredas,
reverdece o sumo

de ter colhido
o sabor da vertente.
Nossa amizade

é mais um gole da gaita,
um golpe no tambor.
Nossa amizade

é estar névoas adiante
do que somos.
Só é mortal

o que não vimos.
Despeço-me do passado
como um cavalo sem dono.

Não devo conselhos,
não devo a franqueza
das pausas,

a serenidade dos escolhos,
não devo a força
de minha fraqueza.

Mergulho os calcanhares
a empurrar
a barca do ventre

e circundas o vazio,
os ciclos do som,
conciliado com a verdade,

pai maduro de minha escolha,
navegando
a paternidade das águas.


“Um Terno de Pássaros ao Sul” (Escrituras, 2000)

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Rir ainda faz um bem...

Jurei que não mais publicaria piadas de mulheres com cabelos dourados, porque muitas de minhas conhecidas não envelheceram. Ficaram loiras, portanto... Piada de português posso publicar, não fiz jura de fidelidade nenhuma. Abaixo estão as campeãs de acessos na internet.

5º Lugar - AMOR OU INTERESSE ?

- Diga-me, Manoel, tua mulher faz sexo com você por amor ou por interesse?
- Olha, Joaquim, eu acho que é por amor...
- Como é que você sabe?
- Porque ela não demonstra nenhum interesse!!

----------------------------------------------------------

4º Lugar - MANOEL NA ZONA

Manuel chega na zona, louco por um programinha e pergunta pra cafetina:
- Quanto está a custaire o coito com uma das meretrizes?
- Depende do tempo! diz a cafetina.
- Pois, baim... Suponhamos que chova..

-------------------------------------------------------------

3º Lugar - MANOEL NO RESTAURANTE

O Manoel entra no restaurante e pergunta:
-Por favor, me dá uma bacalhoada!
- Ao que o atendente pergunta:
- Já sei! O senhor é português?
- Como descobriste? Foi por causa do meu sotaque ou pelo fato de eu
ter pedido bacalhoada?
- Nem um nem outro... É que aqui é o Mc Donald's!!!

------------------------------------------------------------

2º Lugar - MANOEL NO BRASIL

O Manoel estava voltando da viagem que fizera ao Brasil.
Chegando no aeroporto, seu amigo Joaquim o esperava.
- E aí,Manoel, como foi de viagem?
- Muito bom...
- E o que tu mais gostaste no Brasil??
- Ah, das praias, da mulherada! É uma maravilha!!!!
- E do que tu não gostaste???
- Ah, das escadas rolantes...
Tu acreditas que, um dia, eu estava subindo e acabou a energia elétrica...
Eu fiquei lá, parado, em pé, por mais de 2 horas!!!
- Ê, Manoel, mas tu és burro. hein!!!! Por que tu não te sentaste???

----------------------------------------------------------

Campeã!!!!! MANOEL E O LEPROSO

O Manoel foi preso numa cela em frente à de um leproso.
Dia após dia, ele observava o leproso cuidando de suas feridas.
Até que, certa vez, caiu um dedo do leproso.
Este o pegou e o atirou pela janela.
Uma semana depois, caiu outro dedo e o leproso atirou-o pela janela.
Algum tempo depois, caiu uma orelha, o leproso atirou-a pela janela.
Uma semana depois, caiu o pé, o leproso atirou-o pela janela.
Aí, o Manoel não aguentou mais e pediu uma audiência com o Diretor.
- Olha, senhor diretor, eu não quero ser chamado de dedo duro, mas o
gajo que está na cela em frente a minha está fugindo aos pouquinhos.


quinta-feira, 24 de junho de 2010

Toscana

Só para não ficar à margem, abaixo postei algumas imagens de Toscana, cenário de Passione, a nova novela da Globo. Acho que vou gostar...



quarta-feira, 23 de junho de 2010

Reflexões Shakespearianas

Li este texto para iniciar uma de minhas palestras. Foi um sucesso! Confiram a beleza da mensagem no vídeo.

terça-feira, 22 de junho de 2010

A vingança


Carta do Ex para a Ex:

Querida, Escrevo para dizer que vou te deixar. Fui bom marido por 7 anos. As duas últimas semanas foram um inferno... O seu chefe me chamou para dizer que você tinha pedido demissão e isto foi a gota...

Na semana passada, nem notou que não assisti ao futebol... Te levei na churrascaria que mais gosta... Outro dia chegou em casa, nem comeu e foi dormir depois da novela...

Não diz que me ama... Nunca mais fizemos sexo... Portanto, ou está me enganando ou não me ama mais. PS. Se quiser me encontrar, desista... Eu e a Júlia, aquela sua 'melhor amiga' da Academia, vamos viajar para o nordeste e vamos nos casar!
Ass: Seu Ex-marido.

Resposta da Ex:

Querido Ex-marido:

Nada me fez mais feliz do que ler sua carta. É verdade, ficamos casados por 7 anos, mas dizer que você foi um bom marido é exagero. Vejo a novela para não lhe ouvir resmungar a toda hora.

Reparei que não assistiu futebol, mas com certeza, foi porque seu time tinha perdido e você estava de mau humor. A churrascaria deve ser a preferida da amiga Júlia, pois não como carne há dois anos. Fui dormir porque vi que a sua cueca estava manchada de batom. (Rezei para que a empregada não visse). Mas, com tudo isto, ainda o amava e senti que poderíamos resolver os nossos problemas.

Assim, quando descobri que eu tinha ganhado na Loteria deixei o meu emprego,e de surpresa comprei dois bilhetes de avião para o Taiti, mas quando cheguei em casa você já tinha ido embora... Fazer o quê? Tudo acontece por alguma razão.

Espero que você tenha a vida que sempre sonhou. O meu advogado me disse que devido a carta que você escreveu, não terá direito a nada. Portanto, se cuida!

PS. Não sei se lhe disse, mas a Júlia, minha 'melhor amiga', está grávida do Jorginho, nosso 'personal' lá da Academia. Espero que isto não seja um problema...

Ass: Sua Ex-esposa, Milionária, Gostosa e Solteira.

Isso se chama: "Sacudir a poeira e dar a volta por cima!"


Cuidado, maridos e mulheres!
Podem estar dormindo com uma milionária ou milionário sem saber. Não desperdicem o ouro...


Um ótimo dia!


segunda-feira, 21 de junho de 2010

Quem já foi rei, continua Majestade...


Olhando a foto de Grace Kelly, a atriz americana que se tornou princesa de Mônaco, com uma beleza dessas só podia ser rainha...

Pois quem já foi rei, transformou a mulher em rainha... Quem já foi rainha, continua majestade!

Acreditam que ainda muita gente boa troca o J por G?

Sim! MAJESTADE é com J.

domingo, 20 de junho de 2010

Ganância



E esta?

O Casal estava jogando golfe no quintal quando na terceira tacada o marido diz:
- Querida, tome cuidado ao acertar a bola, não vá mandá-la numa dessas casas e quebrar uma vidraça. Vai custar uma fortuna para consertar.
Mal termina a frase, ela dá a tacada e estilhaça uma vidraça.
O marido se desespera:
- Eu disse para tomar cuidado!
- E agora, como vai ser ?
- Vamos até lá pedir desculpas e ver quanto vai ser o prejuízo.
Eles batem à porta e ouvem uma voz:
- Podem entrar.
Eles abrem a porta e vêem vidro espalhado pelo chão e uma garrafa quebrada perto da lareira.
Um homem sentado no sofá diz:
- Vocês são os que quebraram a minha janela?
- Sim. Sentimos muito e queremos pagar o prejuízo. - responde o marido.

- De jeito nenhum. Eu que quero agradecer-lhes. Sou um gênio que estava preso nesta garrafa há milhares de anos. Vocês me libertaram. Posso conceder três desejos. Eu dou um desejo a cada um e guardo o terceiro para mim.

- Que legal! - diz o marido. - Quero um milhão de dólares por ano, pelo resto de minha vida.

- Sem problema. É o mínimo que eu posso fazer. E você, o que gostaria de pedir? - diz o gênio olhando para a esposa.

- Quero uma casa em cada país do mundo, ela responde.

- Pode considerar seu desejo realizado. - diz o gênio.

- E qual é seu desejo, gênio ? - o marido pergunta.

- Bem, desde que fiquei preso nesta garrafa há milhares de anos não tive mais a oportunidade de fazer sexo. Meu desejo é ter sexo com sua mulher.

O marido olha para sua esposa e diz:
- Bem,querida, nós ganhamos um monte de dinheiro e todas essas casas. Acho que ele não está pedindo muito.

O gênio leva a mulher para o quarto e passa duas horas com ela. Depois de terminar, ao se vestirem, o gênio olha para ela e pergunta:

- Quantos anos tem seu marido?
- 35.

- E você ?
- 29.

- Puta que pariu ! E vocês ainda acreditam em gênios???

sábado, 19 de junho de 2010

O Bêbado culto...


Essa é genial! Como todas as coisas que me fazem feliz ou me induzem ao riso, compartilho com vocês. Hoje, não fujo à regra: Recebi esta piada por e-mail de um cunhado, o Plínio. PIMBA! Ei-la aí embaixo.

Riqueza semântica

Um político que estava em plena campanha chegou a uma cidadezinha, subiu em um caixote e começou seu discurso:

- Compatriotas, companheiros, amigos! Nos encontramos aqui convocados, reunidos ou ajuntados para debater, tratar ou discutir um tópico, tema ou assunto, o qual é transcendente, importante ou devida ou morte. O tópico, tema ou assunto que hoje nos convoca, reúne ou ajunta, é minha postulação, aspiração ou candidatura à Prefeitura deste Município.

De repente, uma pessoa do público pergunta:
- Escute aqui, por que o senhor utiliza sempre três palavras para dizer a mesma coisa?

O candidato responde:
- Pois veja, meu senhor: A primeira palavra é para pessoas com nível cultural muito alto, como poetas, escritores, filósofos etc. A segunda é para pessoas com um nível cultural médio como o senhor e a maioria dos que estão aqui. E a terceira palavra é para pessoas que têm um nível cultural muito baixo, pelo chão, digamos, como aquele bêbado ali jogado na esquina.

De imediato, o bêbado se levanta cambaleando e responde:
- Senhor postulante, aspirante ou candidato! (hic) O fato, circunstância ou razão de que me encontre (hic) em um estado etílico, bêbado ou mamado (hic) não implica, significa, ou quer dizer que meu nível (hic) cultural seja ínfimo, baixo ou ralé mesmo (hic). E com todo o respeito, estima ou carinho que o Sr. merece (hic) pode ir agrupando, reunindo ou ajuntando (hic), seus pertences, coisas ou bagulhos (hic) e encaminhar-se, dirigir-se ou ir diretinho (hic) à leviana da sua genitora, à mundana de sua mãe biológica ou à puta que o pariu!

Mexe com quem tá quieto!!!


sexta-feira, 18 de junho de 2010

Vida e futebol

Para quem gosta de futebol, uma pequena homenagem.

Recebi este vídeo do meu Anjo Número Um, a sempre prestativa e adorável amiga Marli.


Duas Bolas, Danuza Leão


Fui "encontrada" através da internet por uma parente, a Marília Gudolle, da qual não sabia a existência. Fiquei feliz demais com o "aparecimento" dela, pois me criei acreditando que não tinha parentes por parte de meu pai. A "prima" se tem mostrado de extrema generosidade na troca de informações sobre a família e do compartilhamento de textos lindos através desse canal tão democrático.

A crônica abaixo recebi dela. Contém verdades e vontades que não posso negar...


*Duas bolas, por favor

Não há nada que me deixe mais frustrada do que pedir sorvete de sobremesa, contar os minutos até ele chegar e aí ver o garçom colocar na minha frente uma bolinha minúscula do meu sorvete preferido.
Uma só.

Quanto mais sofisticado o restaurante, menor a porção da sobremesa.
Aí a vontade que dá é de passar numa loja de conveniência, comprar um litro de sorvete bem cremoso e saborear em casa com direito a repetir quantas vezes a gente quiser, sem pensar em calorias, boas maneiras ou moderação.

O sorvete é só um exemplo o do que tem sido nosso cotidiano.
A vida anda cheia de meias porções, de prazeres meia-boca, de aventuras pela metade.

A gente sai pra jantar, mas come pouco.
Vai à festa de casamento, mas resiste aos bombons.
Conquista a chamada liberdade sexual, mas tem que fingir que é difícil (a imensa maioria das mulheres continua com pavor de ser rotulada de 'fácil').

Adora tomar um banho demorado, mas se contém para não desperdiçar os recursos do planeta.
Quer beijar aquele cara 20 anos mais novo, mas tem medo de fazer papel ridículo.

Tem vontade de ficar em casa vendo um DVD, esparramada no sofá, mas se obriga a ir malhar.
E por aí vai.

Tantos deveres, tanta preocupação em 'acertar', tanto empenho em passar na vida sem pegar recuperação...
Aí a vida vai ficando sem tempero, politicamente correta e existencialmente sem-graça, enquanto a gente vai ficando melancolicamente sem tesão...

Às vezes dá vontade de fazer tudo 'errado'.
Deixar de lado a régua, o compasso, a bússola, a balança e os 10 mandamentos.
Ser ridícula, inadequada, incoerente e não estar nem aí pro que dizem e o que pensam a nosso respeito.
Recusar prazeres incompletos e meias porções.

Até Santo Agostinho, que foi santo, uma vez se rebelou e disse uma frase mais ou menos assim:
'Deus, dai-me continência e castidade, mas não agora'...

Nós, que não aspiramos à santidade e estamos aqui de passagem, podemos (devemos?) desejar várias bolas de sorvete, bombons de muitos sabores, vários beijos bem dados, a água batendo sem pressa no corpo, o coração saciado.

Um dia a gente cria juízo.
Um dia.
Não tem que ser agora.

Por isso, garçom, por favor, me traga: cinco bolas de sorvete de chocolate, um sofá pra eu ver 10 episódios do 'Law and Order', uma caixa de trufas bem macias e o Richard Gere, nu, embrulhado pra presente.

OK?
Não necessariamente nessa ordem.
Depois a gente vê como é que faz pra consertar o estrago.

* Danuza Leão

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Poemas para Elias

Olá, Elias!
Selecionei poemas curtos de Pessoa, Cecília, Vinícius e Neruda. Espero que gostes de algum deles.
Estarei sempre esperando nova visita.

Cai chuva do céu cinzento


Cai chuva do céu cinzento
Que não tem razão de ser.
Até o meu pensamento
Tem chuva nele a escorrer.

Tenho uma grande tristeza
Acrescentada à que sinto.
Quero dizer-ma mas pesa
O quanto comigo minto.

(Fernando Pessoa)

Eu amo tudo o que foi

Eu amo tudo o que foi,
Tudo o que já não é,
A dor que já me não dói,
A antiga e errônea fé,
O ontem que dor deixou,
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia.

(Fernando Pessoa)

A chuva cai...

Porque verdadeiramente
Não sei se estou triste ou não.
E a chuva cai levemente
(Porque Verlaine consente)
Dentro do meu coração.

(Fernando Pessoa)

O Amor...

É difícil para os indecisos.
É assustador para os medrosos.
Avassalador para os apaixonados!
Mas, os vencedores no amor são os
fortes.
Os que sabem o que querem e querem o que têm!
Sonhar um sonho a dois,
e nunca desistir da busca de ser feliz,
é para poucos!!"

(Cecília Meireles)

Soneto do amigo

Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...

(Vinicius de Moraes)

Amigo

Bom dia, amigo
Que a paz seja contigo
Eu vim somente dizer
Que eu te amo tanto
Que vou morrer
Amigo... adeus

(Vinícius de Moraes)

Poética

De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contém
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando.

(Vinícius de Moraes)

É claro que a vida é boa
E a alegria, a única indizível emoção
É claro que te acho linda
Em ti bendigo o amor das coisas simples
É claro que te amo
E tenho tudo para ser feliz
Mas acontece que eu sou triste...

(Vinícius de Moraes)

Soneto da separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

(Vinícius de Moraes)

Esperemos

Há outros dias que não têm chegado ainda,
que estão fazendo-se
como o pão ou as cadeiras ou o produto
das farmácias ou das oficinas
- há fábricas de dias que virão -
existem artesãos da alma
que levantam e pesam e preparam
certos dias amargos ou preciosos
que de repente chegam à porta
para premiar-nos
com uma laranja
ou assassinar-nos de imediato.

Pablo Neruda (Últimos Poemas)


Elias! Se nenhum serviu, reclame. Procurarei outros.

Por onde anda Araquem, o GOOOOL Men?

Vocês se lembram do Araquem, aquele personagem que fazia os espectadores da Globo irem à loucura quando aparecia para anunciar as vinhetas da Copa do Mundo de 1986?

Eu adorava aquele personagem! Corri atrás e recuperei um vídeo em que José Antônio de Barros Ferreira dá uma entrevista a um repórter da Record.


Nos outros vídeos, aparece o personagem Araquem. Confiram!






Futebol por toda parte


Lendo Zero Hora, deparei-me com este belo texto. Nele, como sempre, Martha Medeiros faz uma goleada com as palavras. Mais uma vez, identifiquei-me com a postura da autora porque sou assim também: vou direto ao ponto, ou seja, só busco o gol, procuro realizar, e muito bem, as coisas que considero importantes.

Onde fica o gol?

Martha Medeiros


Em função da mobilização com a Copa do Mundo, andei me lembrando de uma conversa que tive com um amigo, anos atrás. Ele liderava uma equipe numa agência de publicidade e trabalhava em ritmo alucinado. No decorrer do papo, ele desabafou dizendo que era difícil conviver com colegas que não sabiam para que lado ir, o que fazer, como agir, e que por causa dessas incertezas perdiam tempo e faziam os outros perderem também. E exemplificou: “Sabe por que eu sempre gostei do Pelé? Porque o Pelé pegava a bola em qualquer lugar do gramado e ia com ela reto para o gol. Ele sabia exatamente para onde tinha que chutar”.

— Isso que você nem é muito fã do esporte — comentei.

— Pois é, não jogo futebol, mas tenho alma de artilheiro: entro em campo e já saio perguntando onde é que é o gol. É pra lá? Então é pra lá que eu vou, sem desperdiçar meu tempo, sem ficar enfeitando.

Taí o que a gente precisa se perguntar todo dia quando acorda: onde é que é o gol?

Muitas pessoas vivem suas vidas como se dopadas, chutando para todos os lados, sem nenhuma estratégia, contando apenas com a sorte. Elas acreditam que, uma hora dessas, de repente, quem sabe, a bola entrará. E, até que isso aconteça, esbanjam energia à toa.

“Goal”, em inglês, significa objetivo. Você deve ter um. Conquistar um cliente, ser o padeiro mais conceituado do bairro, melhorar a aparência, sair de uma depressão, ganhar mais dinheiro, se aproximar dos seus pais. Pode até ser algo mais simples: comprar as entradas para um show, visitar um amigo doente, trocar o óleo do carro, levar flores para sua mulher. Ou você faz sua parte para colocar a bola dentro da rede, ou seguirá chutando para as laterais, catimbando, sem atingir nenhum resultado.

Quase invejo quem tem tempo a perder: sinal de que é alguém irritantemente jovem, que ainda não se deu conta da ligeireza da vida. Já os veteranos não podem se dar ao luxo de acordar tarde, e, no caso, “acordar tarde” não significa dormir até o meio-dia: significa dormir no ponto, comer mosca. Não dá. Depois de certa idade, é preciso ser mais atento e proativo.

Parece um jogo estafante, nervoso, mas não precisa ser. O gol que você quer marcar talvez seja justamente aprender a ter um dia-a-dia mais calmo, mais focado em seus reais prazeres e afetos, sem estresse. É uma meta tão valiosa quanto qualquer outra. Só que não pode ser um “quem sabe”, tem que ser um gol feito.

Essa é a diferença entre aqueles que realizam as coisas e os que ficam só empatando.

Fonte: Jornal “Zero Hora” nº. 16368, 16/6/2010.

Ah! Se não acerto o gol no primeiro tempo ou na primeira partida, não desisto! Corro atrás da bola o tempo inteiro, tendo a goleira como objetivo exclusivo. E tenho, por essa minha pertinácia, feito gols aos borbotões!

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Uma outra Porto Alegre



Durante minhas férias escolares, na adolescência, quando conseguia reunir as "economias" necessárias à empreitada, viajava a Porto Alegre e me deslocava sozinha e a qualquer hora, pela capital gaúcha para me encontrar com amigos. Juntos, andávamos por ruas, praças, parques, teatro, restaurantes e cinemas. Assistíamos a tudo o que vão ler abaixo e sem nenhum temor. Realmente, os tempos eram outros... Apesar de posterior ao 1950 de Liberato.

Texto de Liberato Vieira da Cunha

* UMA OUTRA PORTO ALEGRE

"Perguntem a pessoas sensíveis qual foi a época em que elas foram mais felizes e nove em cada 10 escolherão algum lugar do passado. Só uma – e olhem lá – elegerá o momento presente.


Tomem como exemplo Porto Alegre. Leio consternado sobre a legião enorme de crimes que se cometem a cada dia na Capital e na Região Metropolitana. Era bem diverso quando me mudei, guri, para cá na década de 1950. Esta não era então uma cidade em guerra contra si mesma e as páginas do noticiário policial dos jornais davam conta de raros delitos mais graves – e certamente de nenhum movido a crack.


Meu pai gostava de nos levar, minha mãe, meus irmãos e eu, a passear de noite na Rua da Praia. Era todo um espetáculo de luzes, de paz e de beleza. A tranquilidade era absoluta – não se via sequer um batedor de carteiras. As lojas exibiam o esplendor de suas vitrines. Casais transitavam, ou nos passeios, ou nas pedras do calçamento azul e rosa, desde o Hotel Majestic até o início da pequena ladeira que conduzia à Praça Dom Feliciano.


As pessoas costumavam ir ao cinema, não a esses de shopping e estacionamento pago, mas aos que ficavam em plena calçada. Na Praça da Alfândega, então livre de drogados, de marginais e de damas de vida airada, havia o Guarani, o Imperial, o Rio, o Rex, o Central e, pelas redondezas, ficavam outros como o Ópera, o Victoria ou o Rivoli. O Theatro São Pedro dava funções regulares para um público fiel, livre de flanelinhas, e ninguém se atreveria a pichar os monumentos da Praça da Matriz, por sinal um dos lugares preferidos dos namorados nas noites enluaradas.

Aos sábados, os adolescentes compareciam a reuniões dançantes, que por vezes se estendiam até a primeira hora da madrugada, sem qualquer temor para os papais: se os bondes da Carris já houvessem se recolhido a merecido descanso, as ruas eram livres de assaltantes ou de sequestradores-relâmpago. E tinha também os bailes, tipo os da Reitoria, que amanheciam envoltos em ternura.


Falei antes dos bondes da Carris. Como sei algo das coisas da Europa, conheço lugares, como a futurística Frankfurt, onde eles são símbolos de modernidade.


Pois é. Já tivemos bondes, portas giratórias, confeitarias e outros indicativos de civilização. Falta-nos talvez lançar um olhar ao passado, só para concluir que éramos felizes e não sabíamos."

Atenção!

Mesmo podendo me incluir entre as pessoas sensíveis, não sou saudosista, não acho que o passado foi a época mais feliz de minha vida. Ao contrário, a felicidade, para mim, é o hoje, o agora, o tempo atual em que vivo, apesar de todas as mazelas sociais que presencio e as pegadas do tempo que foram chegando devagarzinho e se instalando em mim, embora as possa, ainda, camuflar..

Ainda, hoje, quando vou a Porto Alegre, ando pelos locais mais bonitos dela e sempre a olhando pela janela do carro. Portanto, vejo-a com um olhar descompromissado, encantando-me apenas com suas roupagens mais belas, frequentando locais para lá de seguros. Não sou, por isso, a pessoa mais indicada para lamentar como era no passado e o que perdeu.

Porto Alegre é Demais..

terça-feira, 15 de junho de 2010

Deus sumiu...


Recebi esta piada da Ilza Madruga, uma amiga virtual das mais hilárias. Só me manda piadas de primeiríssima qualidade. Como sempre, quero gargalhar com vocês!

DOIS CAPETAS

Um casal tinha dois filhos que eram uns capetas.
Os pais sabiam que, se houvesse alguma travessura onde moravam, eles, com certeza, estariam envolvidos.

A mãe dos garotos ficou sabendo que o novo padre da cidade tinha tido bastante sucesso em disciplinar crianças. Então, ela pediu a ele que falasse com os meninos.

O padre concordou, mas pediu para vê-los separadamente. A mãe mandou o filho mais novo.

O padre, um homem alto, com uma voz de trovão, sentou o garoto e perguntou-lhe austeramente:
- Onde está Deus?

O garoto abriu a boca, mas não conseguiu emitir nenhum som. Ficou sentado, com a boca aberta e os olhos arregalados.

Então, o padre repetiu a pergunta num tom ainda mais severo: o garoto não conseguia emitir nenhuma resposta.

O padre levantou ainda mais a voz, e com o dedo no rosto do garoto berrou:
- ONDE ESTÁ DEUS ?????????

O garoto saiu correndo da igreja direto pra casa e trancou-se no quarto. Quando o irmão mais velho o encontrou, perguntou:
- O que aconteceu?

O irmão mais novo, ainda tentando recuperar o fôlego, respondeu:
- Cara, desta vez tamo fu_di_do. DEUS sumiu, e acham que foi a gente!!!

O que acharam?

Parece ... mas não é...




Entrar numa BICHA em Portugal...

Não é uma relação homossexual.

Apenas enfrentar uma fila...




Chegar dentro de um RATO em espanhol...

Não é "infiltrar-se" no camundongo...

E sim, chegar dentro de instantes, num momentinho...


Estar EMBARAÇADA, para nós, é estar desconfortável.

Para os argentinos, é sinal de filho iminente, protinho para nascer.

Já em Portugal, grávida é mulher EMBUCHADA.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Marianna de Chanel



Olá,amigos!

Não tenho razão de ser uma avó e mãe para lá de "coruja"?


Abaixo, mostro as últimas fotos da Marianna e da família paterna.
Para sorte dela,(ou dos pais), a avó Sylvia, a tia Isa, as madrinhas Carla e Graziele, o tio Vinícius compram todas as roupas mais lindas que encontram nas lojas. (Eu sou a mais comedida, prefiro presentear afeto, mas dou as minhas "escorregadelas"...)


As vestes estilo Chanel foram presentes da vovó Sylvia.

A Marianna só poderia ser linda mesmo! Olhem a linhagem por parte do pai dela!
Gustavo e Filipe, tios. Sylvia e Cesar, avós . Cesinha, o mais alto, pai.

Aqui, o início da preparação para festejar o aniversário do vovô Cesar Grisa

Nesta foto, Marianna pronta para sair.

AH! esqueci de dizer que a mamãezinha da Marianna também é linda. Corujice? Não! Felicidade!

Um pouco de Drummond


A Um Ausente

Tenho razão de sentir saudade,
tenho razão de te acusar.
Houve um pacto implícito que rompeste
e sem te despedires foste embora.
Detonaste o pacto.
Detonaste a vida geral, a comum aquiescência
de viver e explorar os rumos de obscuridade
sem prazo sem consulta sem provocação
até o limite das folhas caídas na hora de cair.

Antecipaste a hora.
Teu ponteiro enloqueceu, enloquecendo nossas horas.
Que poderias ter feito de mais grave
do que o ato sem continuação, o ato em si,
o ato que não ousamos nem sabemos ousar
porque depois dele não há nada?

Tenho razão para sentir saudade de ti,
de nossa convivência em falas camaradas,
simples apertar de mãos, nem isso, voz
modulando sílabas conhecidas e banais
que eram sempre certeza e segurança.

Sim, tenho saudades.
Sim, acuso-te porque fizeste
o não previsto nas leis da amizade e da natureza
nem nos deixaste sequer o direito de indagar
porque o fizeste, porque te foste.

Carlos Drumonnd de Andrade

domingo, 13 de junho de 2010

O outro lado do Dia dos Namorados


Que coisa meiga! O casamento quando dá certo é maravilhoso! As delicias do casamento :

Ontem à noite eu estava sentado no sofá, vendo TV, quando ouvi a voz
da minha mulher vindo da cozinha:
- "O que você vai querer para o jantar, meu amor? Frango, carne ou pernil?"

Eu disse:
- "Vou querer frango, querida, obrigado."

Ela respondeu:
- "Você vai é tomar sopa! Eu estava falando com o cachorro."

Jamais chegarei a esse ponto e vocês?

Vou me demitir...

Recebi esta belíssima mensagem do meu Anjo Número Um, a minha adorável amiga Marli. Não deixem de lê-la.



Eu também queria me "demitir da vida chata de adulto" para só viver a vida de...AVÓ!

sábado, 12 de junho de 2010

Dia dos Namorados


SACANAGEM - Martha Medeiros 09 de Junho de 2003



Fizeram a gente acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos. Não contaram pra nós que amor não é racionado nem chega com hora marcada.

Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade. Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais rápido.

Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada "dois em um", duas pessoas pensando igual, agindo igual, que isso era que funcionava. Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.

Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos. Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são caretas, que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Ninguém nos disse que chinelos velhos também têm seu valor, já que não nos machucam, e que existe mais cabeças tortas do que pés.

Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade. Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que poderíamos tentar outras alternativas menos convencionais. Sexo não é sacanagem.

Sexo é uma coisa natural, simples - só é ruim quando feito sem vontade. Sacanagem é outra coisa. É nos condicionarem a um amor cheio de regras e princípios, sem ter o direito à leveza e ao prazer que nos proporcionam as coisas escolhidas por nós mesmos."

Pensem nisso e FELIZ DIA dos NAMORADOS!

Música para amar 3

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Música para amar 2

Abreviaturas de horas e gramas

Sem tempo, aí vai uma postagem "velha"...

Quantas vezes somos assaltados por dúvidas quando precisamos abreviar certas palavras ou expressões.
Algumas abreviaturas se instalaram de forma errada na cabeça das pessoas que, muitas vezes, quando são escritas corretamente, muitas duvidam dessas grafias.

É o caso da abreviação de HORAS e de GRAMAS = peso, não confundam com capim.

Caso queiram encurtar as letras para escrever vinte horas ou doze horas e trinta minutos, um grama ou duzentos e cinquenta e cinco gramas devem abreviar assim: 20h ou 12h30min; 1 g e 255 g sem ponto e sem s.

Treinem com uma hora e vinte e cinco minutos.

Se escreveram deste jeito 1h25 min, PLAC! PLAC! PLAC!(Traduzindo: APLAUSOS!)

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Música para amar

Está chegando o Dia dos Namorados, por que não fazer um agradinho para os seus amores e convidá-los a dançar ao som de Ray Conniff ou outras músicas românticas?

A partir de hoje até a data dos enamorados, vou postar um vídeo com música que fala ao coração. O que lhes apresento, hoje, além da belíssima melodia, o autor caprichou na produção de imagens. Confiram.

Pressão arterial mata, sim, senhor!


O tempo para me deliciar neste espaço está, cada vez mais, fugidio. Estou, em consequência disso, dando um pulinho no passado e postando textos já publicados. No meu retorno do "Canadá", voltarei a fazer ótimas páginas. Aguentem!


"Pressão alta, ou hipertensão arterial, é aquela de 140/90 mmHg ou superior. Ambos os números são importantes. Uma vez que a pressão alta aparece, ela geralmente dura por toda a vida. A boa notícia é que a pressão alta pode ser tratada e controlada.

Hipertensão é chamada de "assassina silenciosa" porque geralmente não tem sintomas. Algumas pessoas podem não descobrir que têm pressão alta até que apresentem problemas no coração, cérebro ou rins.

Uma pressão arterial abaixo de 120/80 é considerada normal. Em geral, quando mais baixa melhor. Porém, pressão arterial muito baixa pode, algumas vezes, causar inquietações e deve ser checada por um médico.


Os médicos classificam a pressão arterial abaixo de 140/90 e acima de 120/80, ou como "normal", ou como "pré-hipertensão". Caso sua pressão esteja na faixa da "pré-hipertensão", então é provável que acabe com pressão alta, a menos que tome providências para preveni-la.


Obesidade, vida sedentária, estresse e ingestão excessiva de álcool ou sal na alimentação
podem ter um papel importante em pessoas predispostas a ter hipertensão arterial. O estresse tende a fazer com que a pressão aumente temporariamente, mas ela costuma retornar ao valor normal assim que cessam os fatores de tensão. Isso explica a hipertensão do avental branco: a tensão emocional da consulta médica faz a pressão do paciente aumentar suficientemente para ser diagnosticado como hipertensão.


Quais são os sintomas da hipertensão arterial?

Grande parte das pessoas com pressão alta não apresenta sintomas. Podem ocorrer, por coincidência, manifestações que são erroneamente atribuídas à pressão alta: dor de cabeça, sangramento do nariz, tontura, rosto avermelhado e cansaço. Esses sintomas, entretanto, também aparecem frequentemente em pessoas com pressão normal.

Se uma pessoa com hipertensão arterial severa ou pressão alta passar um longo período sem tratamento, sintomas como dor de cabeça, fadiga, náusea, vômito, falta de ar, visão borrada aparecem, provocando danos no cérebro, olhos, coração e rins. Ocasionalmente, pessoas com pressão muito alta e em estágios avançados da hipertensão arterial podem ter tontura ou mesmo coma, ou seja, encefalopatia hipertensiva e necessitam de tratamento emergencial.

1. Manutenção do peso ideal - se o sobrepeso aumenta, dificulta o esforço do coração para conseguir bombear o sangue. Na prática, o músculo é exigido demais. "Como o bíceps de quem levanta peso, o coração de uma pessoa obesa acaba hipertrofiado" , explica o cardiologista. Com um risco: as lesões causadas pelo esforço excessivo podem se tornar irrecuperáveis. (Tome cuidado na hora de escolher o seu adoçante)


2. Prática de atividade física - atividades físicas regulares, principalmente, as aeróbias, contribuem para a melhora de todo o sistema circulatório e pulmonar. Só tome cuidado com os exageros: antes de começar qualquer treino, procure um especialista e faça uma avaliação geral.

3. Redução de sal - o excesso de sal na dieta leva à retenção de líquidos, acarretando a hipertensão. Por isso, maneire na hora de temperar a comida e diminua o consumo de enlatados e alimentos em conserva. (Cuidado com os perigos que os enlatados oferecem).

4. Evitar bebidas alcoólicas - o álcool, em grande quantidade, é inimigo feroz da pressão sob controle. Corte as bebidas da sua dieta ou consuma com muita moderação. (Informe-se sobre os danos causados pelo álcool e aprenda a medir as doses de cada bebida).

5. Dieta saudável - gorduras saudáveis e pouco sal são medidas indispensáveis na dieta de quem quer manter o coração saudável. Inclua ainda muitas frutas, verduras e legumes. Cortar a carne não é preciso, mas dê preferência aos cortes magros como filé mignon e músculo. (Nem toda gordura é ruim, aprenda a identificar).

6. Medicamentos - se o médico recomendou, não deixe de tomaros remédios indicados por ele. Mas nada de sair por aí imitando a receita alheia. Vale lembrar que alguns medicamentos podem elevar a pressão, como os antiiflamatórios e anticoncepcionais, ressalta o cardiologista.

7. Cigarro - o tabaco, em conjunto às outras substâncias tóxicas do cigarro, eleva a pressão imediatamente, além de comprometer toda a sua saúde. Parar de fumar, imediatamente, é fundamental , alerta o professor de Cardiologia da Santa Casa de São Paulo, Ronaldo Rosa.

8. Estresse - ele aparece como resposta do organismo às sobrecargas físicas e emocionais, acarretando a hipertensão e doenças do coração. Controle suas emoções e procure incluir atividades relaxantes na sua rotina. (Conte com as flores para diminuir seus níveis de tensão)

9. Exames médicos - avaliações regulares não só ajudam a identificar o problema no começo, facilitando o tratamento, como servem para adequar o uso de medicamentos de forma mais eficaz."


Um lembrete!

Os principais sintomas da Hipertensão são os seguintes:

a) Presença de dores no peito ou desconforto.
b) Presença de falta de ar em repouso.
c) Presença de cansaço aos esforços ou em repouso.
d) Dores na região da nuca em peso ou mal estar.
e) Dores na cabeça.
f) Tonturas frequentes sem motivo aparente.
g) Insônia com cefaléia.
h) Todos os sinais acima podem vir acompanhados de ânsia de vômitos ou mesmo vômitos.

Cuidem-se! Os coraçõezinhos de vocês agradecem!

ATENÇÃO!

Quando terminei de editar este assunto, a atriz Solange Couto, 52 anos, momentos antes de subir ao palco, em um domingo, em Porangatu (GO), percebeu alguns dos sintomas indicativos de que a pessoa está tendo um AVC. Segundo informe do caderno VIDA (ZH), a atriz foi levada às pressas para o hospital e diagnosticada como tendo isquemia cerebral transitória.

IMPORTANTE: Pressão alta leva ao AVC!

IDENTIFICAÇÃO rápida dos SINTOMAS aumenta as chances de quem sofre um ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL.


quarta-feira, 9 de junho de 2010

Ave Maria do Peão

Vejam e ouçam que lindo este vídeo.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Os pecados das avós


Lendo o texto Decisões noturnas de Tanise Dvoskin que saiu encartado em Zero Hora, no caderno Meu filho, identifiquei-me com a mãe da escritora nos pecadilhos (para nós, as avós, mas pecadões para as mãezinhas de primeira viagem) cometidos durante o cuidado de netos e a falta que esse tratamento gostoso faz a eles. Posso falar isso de cátedra porque os meus filhos não conheceram o amor desmedido de avós. Uma, a sogra, porque apregoava aos quatro ventos que neto era só o primeiro, a ele deveria dedicar (e dedicou) o seu intenso e ilimitado afeto.

Os netos que vieram depois, para ela, foram só um complemento a mais... A outra, a mãe, (já estava viúva e recente quando os meus filhos nasceram), preocupara-se mais em gerir os bens herdados e as filhas adolescentes do que dispensar maiores atenções aos netos.

Em compensação, eles, os filhos meus, não têm nada de bom ou de ruim para manifestar sobre as avós. Indiferença talvez. Por tudo isso e por ter vivenciado esses fatos, pecarei sempre por excesso de afeto, pois o meu coração é gigante e ainda há nele muito amor a distribuir aos dois que já tenho e aos netinhos que possam, ainda, vir.

Não fui e não sou mãe castradora ou palpiteira. Ao contrário, prefiro pecar por omissão a fazê-lo por intromissão. Posso até não gostar do que vejo acontecendo na vida dos filhos, mas recuso-me a tecer qualquer comentário, dar sugestões ou me “meter onde não fui chamada”. É aquela tão decantada história: “se conselho valesse, todo mundo cobraria por ele”. No que diz respeito a minha netinha, perco as rédeas da boa conduta e cometo tantos deslizes amorosos quanto acredito a menina ser merecedora. Ela o é e quanto!

Vou me policiar na temporada em que ficarei cuidando da Marianna durante a viagem de seus pais ao Canadá. No entanto, não vacilarei, caso ela sinta falta deles, em mimá-la além da "conta" e farei tudo para torná-la feliz e reconfortada.

O que mais me comoveu no texto de Tanise foi a resposta que ela deu ao e-mail enviado pela mãe em situação já vivenciada por mim enquanto cuidava de minha netinha. Porque incorporei o que vi e ouvi durante toda a minha vida, avó é para mimar; quem deve educar são os pais, cometi alguns "erros" enquanto zelava por ela, o que causou desconforto a minha filha e dela também levei um "pito". (Claro que me empenho intensamente em não deseducar a minha garotinha, mas...)

Para entenderem o que estou escrevendo, abaixo reproduzo os escritos e a resposta da articulista de Zero Hora.

Decisões noturnas

"Apesar de minha mãe e minha irmã falarem que eu nunca peço ajuda, adoro quando posso contar com outras pessoas queridas nos cuidados da minha filha. Dia desses, as duas passaram uma noite na nossa casa. Não tive dúvida. Na hora de dormir eu disse:


– A noite é com vocês! Assumam a guriazinha até às 8h!

As duas adoraram a responsabilidade, e a minha irmã, que raramente está por aqui, decidiu que quem ficaria de olho na babá eletrônica seria ela.

Eu fechei a porta do meu quarto e esperava dormir direto até o outro dia. Mas às 3h30min ouvi o choro da minha filha. Eu havia explicado a elas que, se a pequena desse uma choradinha, era só botar o bico que ela parava. E que a mamadeira era só às 7h ou 8h, dependendo do horário que ela acordasse. Mas como a movimentação estava intensa no corredor, não resisti e fui ver o que estava acontecendo.

Quando cheguei ao quarto da Sofia, minha mãe estava dando mamá a ela. Às 3h30min. Hábito que eu já havia cortado há alguns meses. Na hora falei um tanto brava:

– Eu disse que ela só mama de manhã.

Minha mãe respondeu:

– Mas ela estava com fome.

Minha irmã completou:

– Agora não adianta tirar a mamadeira dela, né?

Ela tinha razão.

Terminou o mamá e as duas levaram o bebê para deitar na cama delas. Aí eu peguei a Sofia e levei-a de volta ao berço. Às 7h, ela acordou, e as duas tomaram conta até as 9h, quando levantei. À tarde minha mãe foi embora e me mandou o seguinte e-mail:

Vivi um dos momentos mais maravilhosos da minha vida hoje com a Sofia. Baiaia e eu passamos a noite atentas a ela. Na verdade, mais a Baiaia do que eu. Melhor assim, porque a única vez em que me “manifestei” dei uma mamadeira na hora errada. Pô, não queria que minha filha acordasse, tentei fazer minha amada dormir, e levei um “pito”. Fui dormir irritada. Mas esqueci de tudo quando a Sofia acordou, às 7h. Dormindo sozinha em seu quarto. Por quê? Tão pequeninha! Mas vovó Sônia, este problema não é teu.

Vovó! Vovó!, ela me chamava. Lá estava ela de pezinho no berço me esperando. E, quando me viu, abriu aquele sorriso que é só dela. Pronto! Esqueci de tudo. Não existe despertar melhor do que este. Já estou pronta para a próxima vez. Dar a mamadeira na hora em que ela quiser e ser de novo acordada por ela. Ah, e ela é tão pequeninha mesmo para dormir sozinha. Beijos, Mama.

Adorei a mensagem e fiquei pensando: que coisa boa poder passar um noite com a avó e a dinda. Que mal teria ela ter dormido na cama entre as duas? Se minha mãe achou melhor dar a mamadeira na hora “errada”, grande coisa.

Eu me esforço tanto para manter hábitos e regras com minha filha. Consegui fazer com que ela dormisse a noite toda sozinha em seu quarto e fiquei com medo de que pudesse haver alguma “recaída”. Mas, quer saber? De vez em quando sair da rotina não tem mal nenhum. Ou melhor, faz até bem. Mama, pode vir dormir aqui de novo que eu prometo não me meter nas tuas decisões noturnas!"

É isso, leitoras queridas e vovós!


Podem nos encher de desaforos por sermos tão "mimadoras", o que vale a pena é o afeto compensador com que os netinhos nos retribuem. Do resto, quem se importa?